domingo, 17 de abril de 2011

DISPRAXIA

Apesar de ser um termo com nome ainda pouco conhecido, a Dispraxia nada mais é que a dificuldade com a coordenação motora do corpo. Pode haver uma dispraxia global, onde os membros superiores, inferiores e tronco, não conseguem ter uma harmonia em suas movimentações.

Quando olhamos uma pessoa dispráxica, há uma impressão de que ela é dejateitada ou talvez um pouco desequilibrada, porém a dispraxia é uma desordem corporal, que já na infância começa a mostrar vestigios.

A criança cai muito ou tropeça facilmente, mesmo sem haver objetos em seu caminho. Seu equilíbrio muitas vezes esta comprometido por fatores de ordem orgânica (que envolvem a região cerebelar) ou mesmo da falta de noção de seu próprio corpo, o que ocasiona desordens do conhecimento do meio ambiente.

Pessoas muito anciosas ou agitadas, também podem possuir dispraxia, pois como querem realizar muitas ações simultaneamente, ou de maneira muito rápida, comprometem o ritimo do corpo nas planificações do movimento.

A dispraxia está descrita por uma dificuldade no planejamento na sequência de movimentos coordenados e no plano de ação destes movimentos, mesmo que os mesmos já tenham sido realizados anteriormente.

Apesar do nome um pouco assustador, a dispraxia é geralmente uma consequência de algo errado com o corpo. Na criança, a dispraxia é olhada como algo normal da infância. Porém quando acentuada, deve ser trabalhada por profissional "formado" para reabilitação Psicomotora, pois pode trazer sérios prejuízos escolares, no que se diz respeito ao processo atencional durante as aulas, bem como também durante o grafismo, e também em suas atividades de vida diária (atravessar uma rua, subir escadas, entre outras).

A dispraxia tem cura. Exercícios de conhecimento corporal, de melhora da tonicidade e equilibração, devem ser realizados primeiramente, para que o paciente possa melhorar a qualidade dos movimentos globais realizados.

8 comentários:

  1. Texto bem explicativo e que ajudará muitas pessoas. Meu filho de 3 anos foi diagnosticado com dispraxia. Há 2 meses vez fazendo sessões com a terapeuta Ocupacional e já notamos muitos desenvolvimentos. Obrigada por compartilhar

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a matéria,mas ansioso é com s e não com c.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Minha filha é portadora de necessidades especias e quem atende ela na psicomotricidade é a fono, e ela trabalha alimentação com minha filha e não concordo muito com isso, tenho pesquisado bastante e discordo um pouco com isso, já que minha filha ela anda e bate muito nas coisas, anda correndo e acaba se machucando, acho que tinha que ser trabalhado equilibrio e depois até pode ser trabalhado na hora do almoço!!Por favor, me ajude?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá cada profissional da enfoque na sua área, no caso conduzir alimentos a boca, diferentes consistencias alimentares para auxiliar na propricepcao, tonocidade e mobilidade dos órgãos fonoarticulatórios os tratamentos nesses casos devem ser sempre interdisciplinar Fono, Fisio, TO, psicólogo etc.

      Excluir
    2. Você consegue levar sua filha em um educador físico, fisioterapeuta ou terapeuta ocupacional? Não sei se o problema de psicomotricidade e equilibrio seria bem trabalhado por uma fonológica, por não ser tanto a área desta formação. O foco é outro.

      Excluir
  5. Oriente-me por favor?....Obrigado(a)

    ResponderExcluir
  6. Oriente-me por favor?....Obrigado(a)

    ResponderExcluir